Visitantes

contador de acesso grátis

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Nosso lado criança às vezes que aflorar.

Nosso lado criança às vezes que aflorar.

Todos nós temos dentro de nós uma criança que se alimentarmos ela continua viva, mas se a esquecermos ela adormece é nosso lado infantil, meigo, alegre, feliz e inocente deixa de existir e nós passamos a ser um humano frio, calculista, desconfiado é sempre sério deixando um lado lindo morto dentro de nós.
Porém temos que saber que este lado criança apenas apareça em momentos apropriados onde podemos ser realmente quem somos, pois com a idade e a responsabilidade muitas vezes temos que ser competentes e realistas.
Esta criança interior deve existir para que não morra en nós a ingenuidade que nos faz mais humanos, pois muitas vezes precisamos saber perdoar é esquecer de algum mal que sofremos. Esta criança faz com que nós tenhamos sempre um sorriso sincero e não um falso sorriso.
Temos que alimentar esta criança para sabermos receber um abraço aconchegante sem que nosso lado adulto nos reprima. Nosso lado adulto não nos permite que sorrimos verdadeiramente e o lado criança sorri com facilidade.
A criança não tem preconceitos, pois todos são iguais perante a brincadeira e amizade. Nosso lado adulto não nos permite dormir no colo de quem nos ama e da carinho, pois a vergonha não nos permite este tipo de afeto e aí esquecemos das histórias contadas por nossas avós e mães que quando estávamos deitados nos teus colos, nos contavam histórias de castelos, príncipes, sapos, fadas e finais felizes.
As crianças têm sentimentos que muitos adultos esquecem que é a autenticidade no coração e a lágrima nas horas certas ou não.
Para que não morra em nós o olhar sincero, dentro dos olhos, pois não temos nada a esconder nem o que de fato temer a não ser o Bicho Papão.
Enquanto alimentamos nosso lado criança, nossos pais são sempre nossos heróis e se deixarmos somente nosso lado adulto, eles passam a ser apenas adultos que para nós são ultrapassados.
Quando deixamos nosso lado adulto aflorar, muitas vezes estamos do lado de pessoas que apenas podem nos oferecer alguma coisa e o lado criança nós da vontade de estar juntos pelo simples fato de que se gosta da pessoa e não do que ela tem a oferecer.
Meu lado criança faz com que não morra em mim a vontade de correr descalço, molhar-se na chuva, comer brigadeiro sem brigar com a balança, dormir sem remédios, beber suco e refri pois é o suficiente para nos animar, e também cantar de mãos dadas as cantigas de roda que nos fazem felizes, e isso é tão simples.
A verdade para nosso lado adulto é feita de vários aspectos e para nosso lado criança apenas é verdade.
Para que não morra em nós o apego pelo que de fato tem valor e isso o dinheiro não pode comprar.
Nosso lado adulto tem responsabilidade e deveres que todo cidadão tem que ter, mas se não tivermos nosso lado criança, como viveremos nosso tempo livre.
Nosso lado adulto desconfia de tudo, não dá direito a nenhum prazer e principalmente mata nossa pureza. Muitas vezes ouço até adolescentes dizendo que besteira este negócio de dia das crianças, Páscoa e papai Noel. Mas meu lado criança acredita em Papai Noel pois para mim o Natal é lúdico.
Meu lado criança, continua vivo dentro de mim, não importa que os anos passem, que o corpo físico já não seja mais tão jovem, que a criança que fui um dia, tenha ficado tão distante, o que importa realmente é que ela, a minha criança, esteja sempre comigo. Tenho uma facilidade muito grande para me comunicar com crianças e com adolescentes, e penso que seja por esse meu lado meio infantil, sonhador, e brincalhão, isso acaba atraindo.
Sempre existiu uma criança dentro de mim.  Devemos ter mesmo nosso lado infantil e inocente sempre vivo dentro de nós, é ele que nos impulsiona a viver alegremente a vida em uma sociedade que nos faz esquecer da infância. Não estou falando que temos que ser sempre criança e não termos responsabilidade, pelo contrário temos que saber dosar bem nosso lado adulto profissional e nosso lado criança.
Algumas pessoas poderiam ler e pensar que estou sendo criança de mais Rsrsrsrsrs, mas não é isto que quero demonstrar. Apenas quero que todos nunca deixem a criança interior morrer.
Algumas vezes, conversando com certas pessoas, “gente grande” assim como eu, conseguia notar uma mensagem que partia de seu interior, uma criança surgia e dizia algo, algo que para ser notado requer atenção e de certa forma um interesse em entrelinhas, também diria que uma certa empatia. Essa criança que hora ou outra eu percebia, se manifestava de formas tão diversas e sempre que eu notava ficava toda reflexiva a respeito de seu surgimento, viajava para um mundo onde eu pudesse enxergá-la no passado talvez necessitando de algo.  Muitas vezes nos bloqueamos nossa criança, mesmo que saibamos que tem horas que ela quer se manifestar através de momentos de risadas, brincadeiras e outros. Mas nosso lado adulto sufoca na hora por causa de nova visão de mundo, cobranças, exigências, correria, banalidades.  Para deixarmos nosso lado criança surgir de vez em quando temos que voltar ao passado e muitas vezes bloqueamos este tempo é não queremos mais saber de remexer no passado, achando que ele deve ficar esquecido, se trata apenas de algo que aconteceu e do qual não se pode mais desfrutar, portanto, que fique para trás. Acredito que o passado tenha muito a dizer sobre quem somos hoje, a somatória de experiências, aprendizados, tudo pelo que passamos ajudaram a construir aquilo que somos, tiveram uma contribuição importante na nossa vida passada. Sei que ontem já era, hoje é o dia e amanhã poderia não mais chegar, mas temos experiências boas e ruins do passado. Sei também que para muitos o esquecimento é a melhor opção, mas a criança que mora em nós não tem culpa.
Muitas vezes vemos pessoas adultas que falam que este negócio de criança interior é coisa de fantasia, pois a vida é dura e temos que saber levar com responsabilidade e pé no chão. Mas muitas vezes Percebi comportamento de pessoas, os quais considerei infantis e achei graça a partir dessa percepção que logo foi mudando enquanto outro pensamento me atingia carregado de compreensão e questionamentos. Na verdade, a verdadeira graça é acharmos que ser adulto implica em abrir totalmente mão da criança que fomos (também considero um grande equívoco da nossa parte), talvez isso nos esmague, sufoque quem realmente somos criando tensão e barreiras dentro de nós.
 Quando crescemos, tomamos consciência da realidade desse mundo caótico, endurecemos, talvez aos poucos nos abandonemos, dando lugar a novos fatores que incorporamos, a mudança é brusca, podem haver pressões, incertezas, questionamentos sobre nosso lugar no mundo, busca de identificação e orientação através do outro e no meio de tudo isso, dessa ocupação constante de tornar-se algo muitas vezes não tiramos um tempo para refletirmos a respeito de nós mesmos, quem somos, o que estamos nos tornando e por qual motivo estamos fazendo determinadas escolhas para as nossas vidas. Foi alguém que disse que teria de ser como é? Passou na televisão? A origem é desconhecida mas se trata de algo simplesmente absorvido e incorporado ao longo da vida de maneira irrefletida?
Porém eu não quero nunca perder está inocência que vive em mim que adora rir de algo engraçado, adora circo, palhaço e faz com que algumas pessoas se divirtam.
Gostaria de encerrar citando Carl Gustav Jung (psicoterapeuta e psiquiatra). Embora o artigo contenha uma visão subjetiva e não uma abordagem do ponto de vista psicológico, acredito que a citação que se segue de certa maneira possui relação com o "espírito" do texto.
"Em todo adulto espreita uma criança - uma criança eterna, algo que está sempre vindo a ser, que nunca está completo, e que solicita, atenção e educação incessantes. Essa é a parte da personalidade humana que quer desenvolver-se e tornar-se.
Por isto digo: A vida é a arte de escolher, Ser adulto ou ser criança, É só escolher
e viver!